Facebook
Twitter
Youtube
Discord
Mixer

Review – Samurai Shodown – 8/10

Reviews Xbox One Xbox One S Xbox One X

DATA DE LANÇAMENTO 25 de Junho de 2019
ESTÚDIO SNK CORPORATION
EDITORA SNK CORPORATION
SINGLE-PLAYER ✅
MULTIPLAYER ONLINE ✅
MULTIPLAYER LOCAL ✅
CO-OP ONLINE ❌
CO-OP LOCAL ❌
DLC ❌
CATEGORIA Ação, Luta.
PREÇO 59,99€ | 79,99€
PLATAFORMA ONDE FOI JOGADO Xbox One
OPTIMIZAÇÕES PARA A XBOX ONE X ❌
SITE OFICIAL

Por Ricardo Gomes
PhantomW0lf2049

Samurai Shodown é o glorioso regresso do clássico dos anos 90 sobre o mesmo nome, após 11 anos desde o lançamento do último jogo da série. Este novo Samurai Shodown traz não só gráficos atualizados para os tempos de hoje, utilizando o famoso motor de jogos de luta: Unreal Engine 4, mas também lutadores já conhecidos da série de jogos assim como mais 3 novos lutadores, todos eles completamente únicos à sua própria maneira. Funcionando como uma prequela do jogo de 1993.

É certo que não foi tão popular como os outros grandes nomes de jogos de luta tais como: Tekken, Mortal Kombat e Street Fighter. Samurai Shodown consegue ter um estilo de combate algo complexo para os novos jogadores, mas fácil de dominar após algum tempo de prática. Um fã de Tekken ou Mortal Kombat, por exemplo, terá uma grande surpresa não só pelo facto de todos os lutadores usaram uma espada, mas pelo facto de o sistema de combate depender bastante na leitura dos movimentos do oponente e de saber aproveitar os erros deles também. Conseguimos logo entender que cada lutador tem uma personalidade bastante distinta e diferente de todos os outros, incluindo as rivalidades existentes entre os vários lutadores. Apenas gostava que cada personagem tivesse um pouco de explicação do seu passado e o que os levou aos acontecimentos do jogo.

Tal como eu disse, o modo de história não nos fala muito sobre as personagens em si, apenas nos apresenta o que está a acontecer neste momento exato. Mesmo que o jogo contenha o mesmo ciclo que cada jogo de luta dos anos 90 continha: uma breve explicação do que está a correr mal até agora e como é que o herói escolhido pelo jogador irá resolver todos os problemas, passado algumas lutas é nos apresentado um encontro entre o herói escolhido e um velho amigo ou inimigo, segue-se uma luta, na penúltima luta encontramos o arqui-inimigo do nosso herói e, finalmente, iremos lutar contra um boss que será ou extremamente difícil desde o início do combate, ou então irá ser algo fácil ao início do combate e nos irá deixar vencer a primeira ronda, para que na segunda ronda lute com tudo o que tem. Isto já não se usa muito hoje em dia nos jogos de luta e já não é tão apelativo para a comunidade, mas eu compreendo o porque de estar presente neste jogo, é uma maneira de se manter leal ao jogo original e não distorcer muito a essência que tornou Samurai Shodown a serie que é hoje me dia.

Mesmo tendo este estilo de história um pouco “desactualizado”, o sistema de progresso e de combate está excelente a meu ver. Desde o primeiro combate bastante básico, simples e fácil para o jogador se habituar, ao lutador escolhido e aos seus combos. A cada combate a dificuldade vai aumentando, a IA vai agindo mais depressa, vai começar a usar combos e a tentar bloquear os ataques do jogador e por vezes a tentar desarmar o jogador por completo deixando-o completamente vulnerável a ataques, mas ainda com a possibilidade de retaliar com punhos e pontapés, até conseguir recuperar a sua arma, ou conseguir mesmo vencer o combate sem a espada. O único combate que tive de puxar imenso pela cabeça foi o final boss, mas não irei falar dessa luta, pois quero que vocês experimentem essa luta do início ao fim sem spoilers nenhuns.

Também gostei do facto de cada personagem ser única não só em termos de personalidade, mas também no seu estilo de luta que varia imenso de personagem para personagem, e também como o próprio design da personagem como por exemplo o Earthquake, sendo ele a maior personagem do jogo, tanto em altura como em largura.

A variedade de estilo de cada personagem é sensacional mesmo, temos personagens de todos os estilos possíveis e eis alguns exemplos: Yoshitora Tokugawa é um lutador cheio de confiança (talvez até de mais) e que traz consigo mais de 6 katanas e 1 katana gigantesca. As suas habilidades consistem em utilizar todas as suas katanas para derrotar os inimigos. Se o jogador conseguir acertar um conjunto de combos usando todas as katanas, poderá então utilizar um ataque especial e extremamente devastador. Outro lutador que podemos destacar é um dos lutadores principais chamado Haohmaru, um habilidoso samurai que está sempre em busca de um desafio novo para se desafiar a si mesmo. A sua habilidade especial consiste numa série de golpes rápidos que irão causar grandes danos no oponente e, na maior parte dos combates, colocar um fim a eles por completo.

Com este regresso, temos então mais 3 novas personagens adicionadas ao pequeno leque de lutadores, personagens essas que são: Darli Dagger, uma carpinteira e construtora de navios que utiliza uma serra dentada e que, quando é desarmada, Darli torna-se num oponente bastante perigoso pois é capaz de causar imenso dano um ataque pesado. Wu-Ruixiang, mais uma lutadora, desta vez chinesa, bastante desajeitada e kawaii (ou “adorável” em português) que é capaz de criar um dragão com um feitiço que irá causar imenso dano ao oponente. E finalmente temos Yashurama Kurama, um samurai que perdeu a sua honra e agora usa uma máscara que faz lembrar um corvo. Kurama utiliza uma katana especial de nome nagamaki, uma katana com uma base maior para utilização de duas mãos.

Existe também um modo de tutorial que recomendo vivamente a todos os novos jogadores desta série, para conseguirem aprender o sistema de combate o mais depressa possível, especialmente antes de se aventurarem nos combates online. Embora a maior parte dos combos sejam algo complicados para os novos jogadores deste género de jogos, pois requerem imensos inputs num curto espaço de tempo e não contêm um vídeo a demonstrar como se faz, eu acredito que alguns jogadores apenas desistam de tentar realizar estes novos ataques. Mas se o jogador quiser praticar os combos que já conhece, existe também o modo de prática, como vários jogos de luta têm.

Um outro modo bastante revolucionário que foi introduzido com Samurai Shodown é o modo de Ghost, em que basicamente utilizando um sistema avançado de AI, o nosso Ghost irá aprender com o jogador enquanto lutam. É um sistema bastante inovador que foi introduzido pela primeira vez no Super Smash Brothers para a Wii U com os Amiibos. E aqui o sistema funciona de uma forma bastante igual, em que o jogo nos transforma num mestre e temos de treinar o nosso pequeno pupilo.

Resumindo, Samurai Shodown é um jogo de luta bastante único e bastante técnico, é fácil de aprender tal como todos os jogos de luta, mas é igualmente difícil de dominar, especialmente com os vários timmings, que variam de lutador para lutador devido as diferentes velocidades de ataques e falhar um timming pode determinar o resultado do combate todo. Diverti-me imenso com este jogo e posso dizer, como um fã de jogos de lutas, que adorei esta nova experiência. Para mim foi algo completamente novo e bastante desafiador e testou mesmo as minhas capacidades (e a minha paciência devido ao final boss), mas no fim tenho de dizer que adorei este jogo e fiquei com vontade de experimentar o resto dos jogos da série.

RESUMO

Prós
• Graficamente apelativo.
• Sistema de combate fácil de entender.
• Personagens bastante predominantes e com personalidades únicas.

Contras
• As personagens podiam ter uma backstory para nos explicar um pouco mais a sua motivação.
• Combos um pouco avançados demais para novos jogadores.

Pontuação final: 8/10.

Uma excelente adição ao género de luta. Um regresso muito bom.

A equipa do Xbox PT Dummies agradece à Ecoplay e SNK CORPORATION pelo envio do código do jogo para a realização desta review.

Não há votações ainda.

Vota neste artigo

Deixa uma resposta

O teu endereço de e-mail não será publicado.

Tu podes usar estes HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>