Review – Everreach: Project Eden – 6.5/10

Soraia Lobos

DATA DE LANÇAMENTO 4 de Dezembro de 2019
ESTÚDIO
Elder Games 
EDITORA Headup Games
SINGLE-PLAYER  ✅
MULTIPLAYER ONLINE
MULTIPLAYER LOCAL
CO-OP ONLINE
CO-OP LOCAL

CATEGORIA Acção, Aventura, RPG, Shooter
PREÇO 24,99€
PLATAFORMA ONDE FOI JOGADO Xbox One X
OPTIMIZAÇÕES PARA A XBOX ONE X 
SITE OFICIAL

por Soraia Lobos
TheGirlEffect

Claramente inspirado em Mass Effect, Everreach: Project Eden é um RPG de acção na terceira pessoa desenvolvido por Elder Games, uma equipa pequena e ambiciosa com um orçamento menor que a saga que o inspirou, pelo que, ao jogá-lo temos que ter isso em conta.

Começamos o jogo na pele de Nora Harwood, uma especialista em segurança contratada para investigar os eventos que levaram a primeira colónia humana habitável da galáxia a ter ficado incomunicável e ter-se espalhado o caos.

O planeta Eden promete ser o novo lar que a humanidade precisa. Exuberante e desabitado, poderia ser a fuga perfeita de uma terra poluída e superlotada. Através de conversas com diferentes personagens, vamos descobrindo o que aconteceu e o que é necessário fazer para restabelecer a ordem neste planeta.

everreach

Logo no início do jogo conhecemos um robô esférico 73-Q, um robô com mau funcionamento que afecta a sua personalidade. O seu propósito passa por nos fornecer informações e actualizações importantes, mas que nos proporciona os momentos mais engraçados e memoráveis do jogo.

No entanto, ao longo da historia achei algumas personagens aborrecidas, sendo que foi maioritariamente a personagem principal me inspirou a conhecer mais sobre ela mesma. Parte do problema passa pelas cenas de diálogo estranhas, pois as personagens conversam num ângulo estranho que parece que nem estão a olhar para nós, por vezes mesmo oscilando aleatoriamente. Nas cenas de diálogo, temos diferentes opções de resposta sendo que apenas têm impacto mais perto do final.

evereach
Um dos momentos em que o ângulo no diálogo nos deixa desconfortáveis.

Algumas missões acabam por ser aborrecidas, não há muito o que ver ou fazer além das missões dos NPCs e acabam por ser também frustrantes. O combate é extremamente difícil, pois é impossível ter precisão nos tiros devido à sensibilidade exagerada dos controlos, mesmo alterando nas definições, para além de não existir forma de nos agacharmos atrás de obstáculos para nos defendermos e ângulos de câmara desconfortáveis para disparar para os inimigos. Não nos podemos apoiar atrás de paredes, apenas podemos recuar e permanecer agachados até que o nosso escudo recarregue. Em certas alturas estamos a disparar contra inimigos e eles simplesmente ficam ali andam para trás e para a frente e acertam sempre os tiros, tornando difícil derrotá-los.

No que toca ao design da arte do jogo, este conseguiu criar uma sensação de um planeta alienígena com belas florestas e desertos ao som de uma banda sonora envolvente, atingindo picos em certas cenas do jogo e tornando-as mais emocionantes como na saga da Bioware. Ao explorar o ambiente, vamos encontrando notas de texto espalhadas e algumas notas de áudio que nos vão dando informação sobre acontecimentos, bem como caixotes cheios de loot, alguns deles com mini-jogos e puzzles cronometrados para abrir, como labirintos ou associação de pontos como à semelhança do primeiro Mass Effect.

everreach
Uma cena de exploração

Fora dos ambientes envolventes, os modelos das personagens com quem interagimos parecem também saídos da série que o inspirou, sem animação detalhada. O mundo e os gráficos têm momentos bons, mas, no geral, as expressões e modelos das personagens, sincronização dos lábios e as texturas ficam aquém. No entanto, não poderíamos esperar mais tendo em conta o seu nível de produção.

Os elementos RPG do jogo são simples. Temos uma árvore de melhorias com um grande número de habilidades passivas e com a possibilidade de equipar até quatro diferentes, desde sobrecarregar escudos ou criar uma barreira protectora, entre outros poderes secundários associados ao fato que funcionam com um sistema de cooldown. Podemos actualizar e melhorar o fato de Nora com peças retiradas do mundo, o que nos incita a explorar o ambiente. Vamos precisar não apenas de materiais ,mas também um certo nível de força, resistência e inteligência, os quais são melhorados com pontos de nível que adquirimos com a nossa experiência nas missões e combates. No entanto, devido à duração do jogo, apenas nos será possível obter uma pequena parte dos mesmos.

everreach
Início da primeira cena na hoverbike

Everreach entrega-nos um experiência linear sem manual save e com um sistema de checkpoints que me deixou super frustrada! Estes pontos são muito distantes uns dos outros, o que leva a ter que repetir novamente algumas missões. A hoverbike também foi frustrante devido à sensibilidade no seu movimento, que nunca parece estar bem devido à ausência de opção de virar a câmara para ver ao nosso redor, para além de sofrer imenso dano ao bater em obstáculos, tornando a tarefa cansativa.

everreach
Algumas das primeiras opções de diálogo do jogo.

A história do jogo dá uma volta interessante na última parte, sendo que chegamos ao fim em cerca de 7 horas. Embora o final seja interessante com uma escolha a ser feita, poderia ter um maior pico de dificuldade ou um inimigo maior para derrotar. O jogo tem finais diferentes com três decisões relevantes durante a história, tomadas em momentos cruciais sem que nossas decisões anteriores interfiram.

Everreach: Project Eden apresenta alguns problemas com inteligência artificial e equilíbrio que podem ser corrigidos, bem como os saves. Mesmo assim, devemos elogiar os esforços da Elder Games pelos aspectos das histórias de fundo das personagens do enredo, pois foram feitos de maneira competente. No entanto, o preço não está no mesmo nível do que nos é entregue, sendo que o mesmo precisa de ser melhorado de forma a tornar a jogabilidade mais agradável.

RESUMO

Prós
• Bela imagem e som
• Banda sonora
• Personagem principal interessante
• Variedade de missões

Contras
• Cutscenes mal editadas
• Combate frustrante
• Precisa de melhorar e corrigir problemas

Pontuação Final: 6.5/10

Há que elogiar os esforços deste RPG simples em 3ª pessoa de baixo orçamento, a música eleva a jogabilidade que, apesar de frustrante e de picos de dificuldade, pode agradar parcialmente fãs de Mass Effect ou de sci-fi passados em planetas distantes.

A equipa do Xbox PT Dummies agradece à Headup Games pelo envio do código do jogo para a realização desta review.

Não há votações ainda.

Vota neste artigo

Deixe uma resposta

Next Post

Final Fantasy XV, Death Squared e Wolfenstein: Youngblood juntam-se ao Xbox Game Pass! [ACTUALIZADO]

ACTUALIZADO: Final Fantasy XV e Wolfenstein: Youngblood chegam ao PC também dia 6 de Fevereiro. Aos PCs junta-se também Death’s Gambit com data por anunciar. ORIGINAL: O pessoal do Xbox Game Pass já deu a entender que o mês de Fevereiro seria mesmo, mesmo, mesmo, mesmo, mesmo bom. Então estamos […]