Facebook
Twitter
Youtube
Discord
Mixer

Review – Creepy Road – 6.5/10

Indie Reviews Xbox One

DATA DE LANÇAMENTO 1 de Março de 2019 
ESTÚDIO
Groovy Milk
EDITORA Groovy Milk
SINGLE-PLAYER ✅
MULTIPLAYER ❌

CO-OP ONLINE ❌
CO-OP LOCAL ❌

DLC ❌
CATEGORIA Ação, Aventura, Run and Gun, Shooter
PREÇO 12,99€
PLATAFORMA ONDE FOI JOGADO Xbox One X
OPTIMIZAÇÕES PARA A XBOX ONE X
SITE OFICIAL

por Hugo Urbano
Kaizord

Creepy Road – Onde está a Angie?

Saudações! Hoje trago-vos a análise e crítica do novo jogo da Groovy Milk, Creepy RoadCreepy Road apresenta-se como um jogo clássico 2D de Run & Gun com excelentes gráficos desenhados à mão, oferecendo ao jogador sessões rápidas e muito divertidas de ação.

Entramos em contacto então com a personagem principal de Creepy Road: Flint um condutor de camiões que está morto para regressar a casa e abraçar o amor da sua vida, Angelina. No entanto, a vida simples e ligeira de Flint complica no momento em que um urso psicadélico causa o embate e destruição do seu camião. A partir daí temos que regressar a Angie enfrentando provavelmente o elenco mais humorístico e divertido que já encontrei num videojogo. Ursos a andar de monociclo com um chapéu de festa? Sim. Porcos a segurar presuntos? Sim. Zombies com selfie-sticks que quando batem em Flint dão o som de uma notificação de mensagem? Também temos! Estes e muitos mais durante os 30 níveis que Creepy Road tem para oferecer.

Oh não! Aquilo é?! Um urso a andar de monociclo!!

Creepy Road certamente não desaponta em nenhum dos elementos necessários para um bom Run & Gun, um leque variado de armas, níveis sempre diferente uns dos outros, uma personagem memorável e chefes inimigos igualmente memoráveis e desafiantes de derrotar. Os primeiros níveis são fantásticos, com muita acção e muito humor à mistura e acima de tudo uma progressão de dificuldade excelente para um jogo deste estilo. Ao fim de alguns níveis esperava eu que o restante jogo a nível de loucura e fluidez se mantivesse igual aos tão brilhantes níveis iniciais, e que de certa forma no meu cérebro algo dissesse: “Este jogo é brilhante, vais poder deixar o Metal Slug em paz.” Infelizmente não aconteceu. Creepy Road continua a ser um excelente jogo e uma lufada de ar fresco para os fãs do género, mas as pequenas coisas que o tornam menos bom neste estilo de jogo são de certa forma imperdoáveis e tornam a experiência do jogador má e frustrante.

creepy road review

(Hypnoshit Gun? Têm mesmo que ver para perceberem! Um dos pontos altíssimos de Creepy Road são as suas variadas armas!)

Creepy Road apresenta-nos um sistema de troca entre armas com os botões RB e LB, algo que deveria ser simples e rápido, porém ao trocarmos de arma há um atraso demasiado grande entre trocar a arma e começarmos a disparar com a mesma, algo muito frustrante principalmente quando no ecrã existem dezenas de inimigos e espaço limitado para combater. Aliado à lentidão geral do manuseamento de armas (quando atiram uma granada para a direita se mexerem no mesmo segundo o Flint a granada é atirada para a esquerda), o jogo troca automaticamente para uma nova arma assim que a apanharem seja esta mais forte ou mais fraca e se estivermos a arrebentar uns zombies ou ursos panda voadores com o lançador de mísseis (bazooka uma das armas mais poderosas do jogo) e de repente caímos no crasso “erro” de apanhar uma caçadeira (que claramente é mais fraca que um lançador de mísseis) a caçadeira será a vossa nova arma! E caso queiram voltar ao incrível lançador de misseis terão que mais uma vez usar o sistema de RB e LB com ineficácia e lentidão face aos enormes perigos de selfie-sticks zombies, entre outros.

(Apocalipse e uma caçadeira, precisamos de mais alguma coisa?)

Outro ponto extremamente negativo são as hit boxes e os raios de embate das armas. Começando pelas hit boxes, é muito notório em níveis mais avançados que alguns inimigos conseguem acertar no Flint mesmo este estando completamente fora do raio de embate das armas. Bastantes vezes reparei que o Flint sofria dano de certos projecteis que claramente nem estava perto dele. O mesmo tipo de situação acontece com o raio de embate de armas, o Flint com a mesma caçadeira que o inimigo não acerta no mesmo, enquanto que à mesma distância a caçadeira do inimigo já acerta no Flint provocando bastantes mortes ao meu novo camionista favorito. Estas mortes acabam por ser bastante penosas para o jogador visto que os checkpoints são muito escassos obrigando a repetir porções demasiado longas em certos níveis, apenas porque aquele inimigo mais maluco nos acertou com um tiro invisível. São algumas destas inconsistências durante os variados níveis que tornam a experiência em si menos positiva e me deixaram a perguntar e a pedir por aqueles níveis iniciais em que tudo funcionou tão bem…

(O primeiro boss em Creepy Road, que infelizmente NÃO SABE DA NOSSA ANGIE!!)

Concluindo, Creepy Road é um título muito divertido que oferece umas boas horas de diversão para todos os amantes de Run & Gun, gráficos desenhados à mão maravilhosos e uma história simples mas cheia de humor. O gameplay é simples e é muito gratificante transformar um zombie em cocó com a Hypnoshit Gun. Os inimigos são extremamente variados e oferecem desafio até aos jogadores mais experientes enquanto que os Bosses por vezes são frustrantes de derrotar devido à inconsistência das hit boxes já referidas. Aliado a outras inconsistências quer de armas quer de level design e a escassez de checkpoints tornam o que poderia ser um jogo excelente e de referência na indústria num jogo mediano mas que pela sua direcção artística e história tem rasgos de brilhantismo e muito potencial para ser melhorado. Fiquei curioso com a qualidade presente neste jogo da Groovy Milk e ansioso por mais títulos da mesma! Basta que para uma próxima limem algumas arestas!

RESUMO

Prós
• 
Excelentes gráficos desenhados à mão
• História muito divertida cheia de humor
• Bom leque de armas diferentes

• Transformar inimigos em cocó 

Contras
Hit box do Flint e de inimigos inconstante
• Alguns inimigos dão dano mesmo não tendo acertado na personagem principal
• Rotação entre diferentes armas é demasiado lenta
• Controlos não muito precisos quando se atira granadas
Checkpoints demasiado escassos em grande número de níveis 

Pontuação final: – 6.5/10

Direcção artística e gráficos desenhados à mão excelentes, com rasgos de brilhantismo no inicio do jogo. Infelizmente o restante level design e os problemas de hit box de armas acabam por tornar a experiência frustrante e desagradável.

A equipa do Xbox PT Dummies agradece à Groovy Milk pelo envio do código do jogo para a realização desta review.

5/5 (2)

Vota neste artigo

Deixa uma resposta

O teu endereço de e-mail não será publicado.

Tu podes usar estes HTML tags e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>